Pós jogo: Cleveland Cavaliers 104 X 103 Orlando Magic

img_4159

Foi uma partida com dois tempos e duas histórias completamente diferentes. Por isso é bom separar o resumo em duas partes!

Primeiro tempo: equipe foi a quadra disposta a terminar rápido a partida, a tática era simples, defesa forte, rebote e contra ataque. Time executava isso com perfeição, a todo momento saindo rápido para o ataque e não dando tempo para a defesa do Magic se posicionar. Foram muitos arremessos fáceis e bolas embaixo da cesta devido à isso. O Cavs terminou primeiro tempo com 20 pontos de vantagem.

Segundo tempo: parecia outra equipe em quadra. O time ia andando para o ataque, era um ou dois passes e uma tentativa de jogada individual, muitas vezes arremesso de longa distância forçado. Magic pegava o rebote e saia rápido ao ataque. Mesmo com diversos timeouts, Cavs continuava a jogar extremamente lento e sem muita disposição. Resultado foi que Magic não só tirou toda vantagem do Cavs como também virou a partida, porém em uma falta para lance livre no Isaiah Thomas Cavs conseguiu virar a partida e conquistar a vitória.

É difícil entender como a mesma equipe tem duas atuações e estilo de jogar completamente diferentes na mesma partida.

Destaques:

Isaiah Thomas – 21 pontos, 3 rebotes e 4 assistências

LeBron James – 16 pontos, 5 rebotes e 6 assistências

 

Proximo jogo: Vs OKC, sábado, as 18:30 com transmissão da ESPN

Como Cavs deveria buscar reforço no perímetro

Texto Traduzido

Cavs vem sofrendo com a defesa do perimetro durante toda temporada e deveria buscar uma troca por um ala defensor e com chute de três pontos.

JR Smith é uma lenda da franquia. A função dele era única na equipe campeã da NBA em 2016. As duas bolas de três seguidas no início do terceiro quarto do jogo 7 foi primordial e trouxe Cavs de volta ao jogo. Eu sempre tive a opinião que ele deveria abrir um restaurante em Cleveland.

 

Mas essa temporada (e grande parte da temporada passada também) o Cavs não está tendo o mesmo JR Smith. JR, segundo uma métrica defensiva, está em 416º lugar entre 468 jogadores. Seus números defensivos é pior desde 2014. Segundo outra métrica defensiva (criada por Steve Shea´s), JR é o pior defensor de perímetro de toda NBA essa temporada (entre 192 jogadores com pelo menos 650 minutos jogados)

 

O Cavs tem um rating defensivo de 113.8 com JR em quadra, e é 7.3 pontos por 100 posses de bola melhor defensivamente quando ele está fora de quadra. Todos jogadores da equipe dentro da rotação tem um rating defensivo melhor com JR fora de quadra.

smith

JR está tendo problemas de defender no um contra um:

E está se perdendo quando defende o jogador fora da bola:

Isaiah Thomas fez seu longo esperado retorno no sábado. IT ficou em 467º defensivamente temporada passada, apenas na frente de Doug McDermott. Com IT e JR como titulares, Cavs tem provavelmente o pior perímetro defensivamente da liga. Esse é o motivo que Tristan Thompson pode eventualmente voltar a equipe titular, fazendo um quinteto parecido com dos anos anteriores. Thompson entraria no lugar de Crowder. Crowder que vem tendo dificuldades ofensivamente essa temporada. Ainda sim, o quinteto com IT – Jr – LeBron – Love – Tristan Thompson teria três jogadores abaixo da média defensivamente, e LeBron, que sua vontade de defender muda a cada partida.

 

Com o encerramento de trocas há menos de um mês, Cleveland deveria focar em melhorar sua defesa.

Uma pequena observação sobre a escolha do draft vinda do Nets

A melhor moeda de troca que Cavs possui, a escolha de draft vindo do Nets, é a única maneira da equipe conseguir um nome de peso.

Mas com OKC agora 14-6 desde o dia primeiro de Dezembro, e Adrian Wojnarowski dizendo que Paul George não será trocado, o melhor jogador parece ser carta fora do baralho.

 

Marc Gasol está na 42º posição entre pivôs da liga na métrica defensiva, e o Memphis é 6.1 pontos por 100 posses de bola melhor defensivamente quando ele está no banco. Essa queda de produção do um dia considerado melhor defensor do ano está ligada com sua idade. Ele está tendo dificuldades de defender no perímetro e os adversários estão chutando 63% embaixo do aro com ele defendendo.

 

DeAndre Jordan está sofrendo com os mesmos problemas essa temporada. Apesar de continuar tendo sucesso como reboteiro e como jogador que faz o corta luz e gira pra cesta, o Clippers é 5.1 pontos melhor defensivamente por 100 posses de bola quando ele não está na quadra. Ele está tendo sua pior métrica defensiva desde 2013 e é apenas o 26º entre os pivôs da liga. Ele não tem muito sucesso contra o Warriors em sua carreira. Seu contrato também é expirante e poderia ficar apenas um ano no Cavs.

 

Ambas essas opções parecem ser muito caras para envolver a escolha do draft vinda do Nets, visto o nível que esse próximo draft promete ter, Cavs deveria pedir mais para envolver essa escolha, a menos que um jogador como Paul George se torne uma opção realista.

Os Alvos

Resultado de imagem para Bazemore LeBron

Visto a necessidade do Cavs de um defensor do perímetro, adquirir um ala que seja bom defensivamente e tenha bom chute de três deveria ser a prioridade. Esse jogador poderia encaixar ao lado de Thomas e defender o melhor jogador do perímetro do adversário.

  1. Kent Bazemore, Atlanta Hawks

Hawks tem atualmente o pior recorde da NBA com 10-30 e provavelmente deseja trocar seu jogador com maior salário nesse primeiro ano de reconstrução. A habilidade de Bazemore de defender o perímetro e chutar de três deveria fazer dele uma prioridade ao Cavs.

 

Qualidades: A envergadura grande fez dele um excelente defensor do perímetro. É considerado o quarto melhor pela métrica defensiva Steve Shea´s, e está caminhando segundo as métricas para a quarta temporada seguida entre os melhores SGs defensores da liga. Ele também é um excelente reboteiro para sua posição, estando melhor que 90% dos jogadores de sua posição nesse quesito em três das últimas 4 temporadas. Em tocos ele é melhor que 85% dos jogadores de sua posição. Ofensivamente ele está chutando 39% dos três pontos, sendo 41% da zona morta. Seu aproveitamento nos arremessos de pegar e chutar (catch and shot) é de 44%. Ele também sabe criar para os outros, sendo o segundo jogador responsável pela criação no Hawks.

 

Deficiências: Bazemore está com apenas 43% nos arremessos de dois pontos. Ele vem tendo muita dificuldade de pontuar em situação de corta luz. Seu histórico em playoffs também não é bom, tendo apenas 25.7% dos três pontos nos últimos três playoffs que disputou.

 

Contrato: 3 anos, 54 milhões (18 milhões por temporada)

2. Jeremy Lamb, Charlotte Hornets

Hornets está 15-23 e as chance de playoffs é pequena. Lamb é uma opção com menor qualidade que Bazemore.

 

Qualidades: Lamb é outro ala com boa estatura (1.98) porém com envergadura muito grande. Isso contribui para que ele ajude no rebote defensivo (melhor que 93% dos jogadores de sua posição) e também ajuda nos tocos (melhor que 72% dos jogadores de sua posição). Ele está chutando 36% dos três pontos, mas não tenta muitos arremessos por jogo. Da zona morta ele tem 56%, mas tentou apenas 22 arremessos.

 

Deficiências: As métricas defensivas de Lamb são confusas. Enquanto em uma ele faz a melhor temporada da carreira, em outra ele está apenas na 39º posição entre os jogadores de sua posição. Na métrica de Steve Shea´s ele está entre os 6 piores. Hornets é praticamente igual defensivamente com ele em quadra e fora de quadra.

 

Contrato: 2 anos, 14.5 milhoes. (7.25 milhões por temporada)

3. Courtney Lee, New York Knicks

Após um bom inicio, Knicks agora está 19-21 e com chances remotas de ir aos playoffs.

 

Qualidades: Lee é um chutador dos três pontos fantástico. Ele tem 42% da linha dos três com quase 4 tentativas por jogo, sendo 48% da zona morta. Lee também tem 96% do lance livre nessa temporada. Na defesa ele rouba mais bola que 76% dos jogadores do perímetro da NBA.

 

Deficiências: Lee não tem uma envergadura grande como Bazemore e Lamb. Isso faz com que ele tenha baixo número de tocos, mesmo comparando apenas com jogadores da sua posição. O mesmo ocorre com rebotes defensivos. Suas métricas defensivas também não são das melhores, é considerado mediano pela métrica de Steve Shea´s. O Knicks tem um rating defensivo melhor quando ele está no banco.

 

Contrato: 3 anos, 36.7 milhões (12.3 milhões por temporada)

Outra opção: Tyreke Evans, Memphis Grizzlies.

 

Memphis está apenas 12-27 nessa temporada e está praticamente sem chance de ir aos playoffs. Memphis certamente irá tentar trocar Evans que contrato termina ao fim da temporada.

 

Qualidades: Evans está tendo a melhor temporada de sua carreira. Ele está com melhor na carreira nas bolas de três pontos (41.6%) em 5.3 tentativas por jogo. Evans também ataca o aro constantemente, tendo 50% de seus chutes lá embaixo. Evans também é um excelente reboteiro.

Deficiências: Evans é mediano defensivamente, mas ele tem as qualidades físicas para atrapalhar mais o adversário. As métricas defensivas consideram ele mediano, e Memphis é 1.2 melhor defensivamente com ele em quadra. Existem dúvidas se ele conseguira manter seu aproveitamento nos arremessos durante toda temporada em uma função menor em um time melhor. Ele provavelmente teria um papel melhor no Cavs vindo do banco como um criador do que um titular que defenda e arremesse de três.

 

Contrato: 1 ano, 3.29 milhões.

 

 

Considerados, mas não obrigado

 

– George Hill: muito pequeno para defender SGs e SFs, apenas 1.89, e está mal defensivamente essa temporada. Porém tem 42% dos três nas ultimas 650 tentativas.

– Jonathon Simmons: Chutando apenas 31% dos três pontos. Outro cara que sua reputação defensiva é melhor do que as métricas dizem.

– Wesley Johnson: Com apenas 30% dos três pontos após um bom inicio. Tem algumas boas qualidades defensivas.

– DeMarre Carroll: Nets vem sendo melhor defensivamente com ele em quadra, mas seu número de tocos e bolas roubadas caíram. Chutando apenas 34% dos três, e com contrato muito caro.

 

Conclusão

 

Cavs deveria ser agressivo no mercado em busca de um defensor do perímetro que viria para ajudar a defesa que vem sofrendo tanto durante a temporada.

 

Esse mercado de alas defensores é limitado em termos de jogadores que encaixariam no que Cavs necessita. Bazemore é claramente a melhor opção e Cavs tem Channing Frye e Shumpert para bater os salários e efetuar a troca (própria pick do Cavs também seria envolvida).

 

O mercado pode mudar muito durante esse mês e aparecer mais jogadores disponíveis para troca. Mas lembre-se, Cavs conseguiu Korver no dia 7 de Janeiro no passado, caso Cavs queira melhorar seu jogo precisa urgentemente de um bom defensor.

 


Texto escrito no dia 10 de Janeiro, dados usados até essa dada, por Mike Zavagno (Twitter: @mzavagno11). Site: www.fearthesword.com

Pré-Jogo: Cleveland Cavaliers (26-17) X (13-31) Orlando Magic

magic-02

Hoje os Cavaliers recebem o Magic, time que tem o pior record da liga, em casa. É a oportunidade perfeita pra equipe dar uma resposta e fazer um bom jogo. Vencer hoje é essencial para dar início a uma recuperação.

Local: Quicken Loans Arena, Cleveland

Horário: 22h (Brasília)

Transmissão: League Pass

 

CLEVELAND CAVALIERS

#3 Isaiah Thomas

#5 JR Smith

#23 LeBron James

#99 Jae Crowder

#0 Kevin Love

Fora: Iman Shumpert.

Derrick Rose está listado como provável para o jogo de hoje.

 

ORLANDO MAGIC

#2 Elfrid Payton

#10 Evan Fournier

#17 Jonathan Simmons

#00 Aaron Gordon

#11 Bismack Byombo

Fora: Jonathan Isaac, Terrence Ross e Nikola Vucevic estão listados como dúvidas para o jogo de hoje.

Pré jogo: Cleveland Cavaliers (26-16) X (35-9) Golden State Warriors

warriors_01

Local: Quicken Loans Arena, Cleveland
Horário: 23h (Brasília)
Transmissão: League Pass e Sportv

CLEVELAND CAVALIERS
03. Isaiah Thomas
05. JR Smith
23. LeBron James
00. Kevin Love
99. Jae Crowder

Fora: Derick Rose e Iman Shumpert

GSW
30. Stephen Curry
11. Klay Thompson
35. Kevin Durant
23. Draymond Green
27. Zaza Pachulia

Fora: Omri Casspi

PÓS JOGO: CLEVELAND CAVALIERS 95 vs 97 INDIANA PACERS

O Cleveland Cavaliers não vive, realmente, um grande momento. A equipe comandada pelo treinador Lue viajou até Indiana em um back-to-back para a enfrentar a equipe do Pacers. Infelizmente, foi mais uma derrota na temporada para o Cavaliers, que agora soma um record de 26 vitórias e 16 derrotas. Apesar de uma atuação um tanto quanto positiva em relação aos últimos jogos, LeBron & CIA seguem recebendo algumas críticas por parte de seus próprios fãs e de seus adversários.

O primeiro quarto da partida foi fenomenal, a equipe acertou a rotação em quase todos os momentos e apresentou, neste primeiro contato, um nível de intensidade muito positivo. Apesar dos pesares, a equipe mostrou que, da mesma forma que consegue fazer uma partida onde todos questionem a sua qualidade, também é capaz de fazer uma partida onde todos ficam de boca aberta com o basquete apresentado.

Todavia, do halftime em diante, as coisas mudaram. O terceiro quarto foi marcado por alguns erros, tanto dos jogadores quanto da arbitragem. Esta que, por sua vez, no último quarto, causou as grandes polêmicos. Inúmeros torcedores do Cavs acreditam que a equipe foi prejudicada, enquanto outros simplesmente entendem que não. Para você, naquele último lance, sem te dar nenhum spoiler, LeBron pisou ou não da linha?

A equipe volta às quadras nesta segunda-feira, dentro de casa, contra a forte equipe do Golden State Warriors. Diante do atual cenário, é completamente normal presumir uma certa vantagem do Warriors na conquista do resultado, mas não podemos deixar de lado o modo besta de LeBron James.

DESTAQUES:
LeBron James: 27 pontos, 11 assistências, 8 rebotes.
Kevin Love: 21 pontos, 10 rebotes.
José Calderón: 8 pontos, 4 rebotes e 2 assistências.
J R Smith: 9 pontos, 6 rebotes, 2 assistências.
Tristan Thompson: 2 pontos, 8 rebotes e 1 assistência.
Jeff Green: 13 pontos, 2 rebotes.
Cedi Osman: 8 pontos, 5 rebotes

STATS DAS EQUIPES:
FG: Cavaliers 43% vs 45,9% Pacers
3P: Cavaliers 20,6% vs 47,6% Pacers
FT: Cavaliers 73,7% vs 75% Pacers
ASS: Cavaliers 19 vs 16 Pacers
REB: Cavaliers 47 vs 44 Pacers

Pré Jogo: Cleveland Cavaliers (26-15) vs (21-20) Indiana Pacers

Local: Bankers Life Fieldhouse, Indiana
Horário: 22h (Brasília)
Transmissão: League Pass

CLEVELAND CAVALIERS
81. Jose Calderon
05. JR Smith
23. LeBron James
00. Kevin Love
99. Jae Crowder

Fora: Derick Rose, Iman Shumpert e Isaiah Thomas

INDIANA PACERS
02. Darren Collison
04. Victor Oladipo
44. Bojan Bogdanovic
21. Thaddeus Young
11. Domantas Sabonis

Fora: Glenn Robinson III, Edmond Sumner e Myles Turner

PÓS-JOGO: CAVS 99 X 133 RAPTORS

TORONTO, CANADA - JANUARY 11: on January 11, 2018 at the Air Canada Centre in Toronto, Ontario, Canada. NOTE TO USER: User expressly acknowledges and agrees that, by downloading and/or using this photograph, user is consenting to the terms and conditions of the Getty Images License Agreement. Mandatory Copyright Notice: Copyright 2018 NBAE (Photo by Ron Turenne/NBAE via Getty Images)

No Canadá, Cleveland foi derrotado por um Toronto Raptors sem Kyle Lowry e sem Serge Ibaka. E foi mais uma derrota embaraçosa para a equipe, que foi massacrada defensivamente e produziu muito pouco ofensivamente. O placar diz tudo: 133-99

Raptors iniciou o jogo com CJ Miles no lugar de Ibaka, partindo para uma formação diferente. Cleveland mais uma vez começou o jogo já com Isaiah Thomas no time titular e mais uma vez começou o jogo de forma apática e sem vontade. Rapidamente já se viu atrás do placar e queimando timeouts.

Nada dava certo para Isaiah Thomas e Love estava apagado. Mesmo com bom começo de James e boa atuação de Tristan Thompson, o time mais uma vez perdeu um 1º quarto nessa temporada. Raptors dominou o garrafão, pegou vários rebotes ofensivos e foi fazendo cestas fáceis.

Se já estava ruim, com a rotação do time, as cisas ficaram ainda piores. Lue testou Crowder junto com os reservas e voltou Frye pra rotação. Depois colocou Isaiah junto com os reservas no lugar do Crowder.  Se isso foi diferente, a história do último jogo contra os Timberwolves parecia ser a mesma. Time ficou perdido na defesa, cedeu uma chuva de bolas de 3-pontos e simplesmente parou de atacar. Aí o time todo começou a jogar no individualismo, sem organização ofensiva nenhuma, mesmo com a volta dos titulares. Foi um segundo período desastroso, em que levamos 35 pontos e anotamos singelos 16, isso mesmo, 16 pontos apenas em 12 minutos. Ainda antes do intervalo já havia uma conversa mais enérgica no banco dos Cavaliers.

 

O time voltou do intervalo mais cadenciado no ataque, tentando realizar as jogadas, mas o aproveitamento continuou baixo e Toronto logo abriu uma vantagem inimaginável. Cavs ainda teve seus momentos, uma Run de 12-2, com algumas defesas mais enérgicas. Mas o estrago estava feito. Com aproveitamento de arremessos ruim, time não teve força para tentar qualquer tipo de reação. E a defesa ruim foi consagrando os jogadores dos Raptors, em especial Fred Vanvleet, que meteu muitas bolas longas, pra desespero nosso. O jogo estava tão fácil que até o DeRozan resolveu treinar seus arremessos de 3-pts, e com bastante sucesso, por sinal.

Time ainda manteve principais jogadores por muito tempo em quadra, considerando que volta a jogar nessa sexta, num back-to-back duro contra Indiana. 100-72 ao final  do 3º período. O período final foi apenas uma formalidae.

Como não dá pra falar em “destaques do jogo” pelo lado dos Cavs, vamos deixar alguns números para você pensar:

Isaiah Thomas 2-15 nos arremessos. JR 0 de 5. zero pontos fio a maior liderança dos Cavs no jogo. Cavs meteu apenas 3 bolas de pontos, até o período em que o jogo importava (Início do 4Q). 22 pontos pra o reserva dos Raptors, Vanvleet, 6-8 3PTFG. Plus/minus de -22 pra LeBron James, mesmo com 26 pontos dele. 71-46 para os reservas dos Raptors sobre nosso time. 63-35 nos rebotes. Que loucura! 63-35, sendo 18-9 nos rebotes ofensivos. O que ajudou o time do Canadá a arremessar 106 vezes contra apenas 89 dos Cavs. Primeira vez na carreira que LeBron James perde dois jogos seguidos por uma diferença de pelo menos 25 pontos.

Não dá nem pra resmungar muito, porque a equipe faz o último joogo dessa tenebrosa road trip nessa sexta, contra os Pacers.

Cavs precisa repensar seu sistema defensivo urgentemente. Precisa criar algo que os jogadores estejam disposto a entregar nesse momento da temporada. Mas isso é papo para outro texto. Nas redes sociais, a raiva era grande com alguns jogadores e treinador Ty Lue.

Que acharam da partida?? O que pode mudar nos Cavs? Comentem!

PRÉ-JOGO: CLEVELAND CAVALIERS (26-14) X TORONTO RAPTORS (28-11)

toronto_01

Cleveland viaja ao Air Canada Centre, em Toronto, para o quarto jogo seguido fora de casa, penúltimo dessa Road Trip, a fim de encarar a forte equipe dos Raptors, no primeiro entre os 3 confrontos das equipes nessa temporada. Esse será o único dos três duelos entre os times no Canadá, então Toronto vai tentar mostrar sua força.  As duas equipes seguem juntas na classificação, com os Raptors em 2º e Cleveland em 3º. Os dois times vem de derrota. Cavs vem de uma humilhante derrota para os Timberwolves, na segunda-feira (99-127), e Toronto perdeu para o surpreendente time do Heat, na terça-feira, em jogo decidido na última bola (89-90). Raptors terá desfalques importantes para o jogo. (Ver abaixo)

Da temporada 2014-15 até agora, os Cavs venceram 15 jogos perdendo apenas 6 para os Raptors, incluindo-se nesses números os confrontos de playoffs, quando nas duas últimas temporadas os Cavs eliminaram o time do Canadá, inclusive com uma varrida nas semifinais de conferência da última temporada.

Alguns números para você ficar de olho: LeBron James precisa de 3 bolas de 3-pts para superar Eddie Jones como 22º maior pontuador do perímetro da história. Kevin Love precisa de 12 rebotes para chegar na marca de 7.000 na carreira e 3 bolas de 3-pts, para ser o 6º maior cestinha de do perímetro da história de nossa franquia, superando Danny Ferry.

Local: Air Canada Centre, Toronto, Canadá

Horário: 23h (Brasília)

Transmissão: NBA League Pass

CLEVELAND CAVALIERS:

3. Isaiah Thomas
5. JR. Smith
23. LeBron James
99. Jae Crowder
0. Kevin Love

Ausentes: Derrick Rose (tornozelo) e Iman Shumpert (joelho esquerdo).

TORONTO RAPTORS

3. Og Anunoby
43. Pascal Siakam
17. Jonas Valanciunas
10. DeMar DeRozan
55. Delon Wright

Ausentes: Kyle Lowry está listado como Questionável para a partida, mas não deve ir pro jogo realmente. Ibaka estará suspenso do jogo, devido à briga no jogo contra o Heat.

Como Dwyane Wade se reinventou para trilhar o Cavs no caminho certo

Texto escrito por Matt Moore 

dwade

D-Wade não é mais o jogador que já foi um dia, mas sua inteligencia faz com que ainda seja muito útil par sua equipe

Sendo bem sincero, tem horas que você dá risada ao olhar pra ele. As proteções na perna e no braço, seu corpo inteiro protegido. Ele faz movimentos de costa pra cesta em câmera lenta, ele tem dificuldade para voltar no contra ataque do adversário, ele mesmo fala sobre isso de como seu corpo as vezes não responde ao o que ele quer fazer. Seria triste se não fosse por uma coisa.

Dwyane Wade está destruindo.

As estrelas envelhecem de diferentes maneiras, alguns viram super ineficientes como foi com Kobe Bryant. Alguns se adaptam e mudam de função como aconteceu com Vince Carter. Alguns continuam fazendo o mesmo que sempre fizeram, porem em poucos minutos, como Manu Ginobili. Na temporada passada pelo Bulls, Wade tinha um NetRating negativo em uma jovem equipe. Tinha noites que ele “ainda era Dwyane Wade”, mas também tinha noites onde ele tentava fazer coisas que ele não tinha mais capacidade. Com o Cavs, após um início muito ruim, Wade decidiu ir ao banco de reservas. Isso não é simples, foi necessário uma reflexão, e engolir muito orgulho para um jogador 12 vezes all star, 8 vezes all NBA, e 3 titulos da liga. Ser titular ou vir do banco não deveria ser uma grande coisa aos jogadores da NBA, mas a realidade é: é uma grande coisa para eles. E mesmo assim, Wade fez essa transição, e está aproveitando o máximo disso.

Alguns dados:

Wade está com a maior média de assistências por 100 posses de bola desde 2010, enquanto ao mesmo tempo mantem suas médias de rebotes, e inacreditavelmente, tocos

O Cavs está +8.7 por 100 posses de bola com Wade em quadra, e -0.6 com ele no banco. Especificamente, a defesa, o maior problema do Cavs na temporada, está 8.7 por 100 posses de bola melhor com ele em quadra.

Com LeBron James e Wade em quadra, o Cavs está +8.9. Com Wade em quadra, mas LeBron fora….Cavs está +8. Nas últimas três temporadas, Cavs sempre foi negativo com LeBron no banco. Eles eram -8.5 quando ele sentava na temporada passada, o que é um desastre. Nessa temporada eles estão +2.3. Isso é excelente.

Confira o que Wade vem fazendo para ajudar a equipe

 Ataque

A habilidade de Wade de comandar a segunda unidade tem um impacto real na equipe. O Cavs precisava de um segundo playmaker há muitos anos. Kyrie é um dos melhores pontuadores no um contra um, talvez um dos melhores na história, ele também sabe passar a bola, mas ele também não é um playmaker. Ele consegue passar a bola mas nunca ele irá ser um jogador que irá fazer isso a todo momento. As assistências de Kyrie caíram um pouco em relação a temporada passada e estão parecidas com sua temporada de 2015-2016. Ele é um pontuador.

Já Wade vem fazendo um trabalho fantástico de comandar a segunda unidade. Ele vem acreditando muito em Jeff Green, que está chutando surpreendente 34.6% dos três pontos com LeBron James no banco. Wade vem achando Green sempre que esse tem um defensor menor ou mais lento, e os outros do banco Korver e Frye e normalmente mais um chutador deixa Green com ainda mais espaço para pontuar:

 

Wade não é James Harden, ele não engana a defesa para achar jogadores livre. O que ele faz é achar pequenos erros da defesa e explorá-los. Abaixo, Udoh dá um passo errado, somente um passo, e no segundo que Udoh faz isso, Wade acha Cedi Osman para uma bola de três pontos:

 

E Wade está disposto e preparado para fazer o que tanto LeBron e Kyrie negaram nos últimos anos: o corta luz de Kevin Love. Wade usa constantemente isso e o Cavs quase sempre conseguem um bom arremesso. Love é muito bom nisso, ele sabe fazer corta luz e sabe girar para receber o passe:

O fato de que Wade não é mais uma ameaça em atacando a cesta na verdade ajuda o Cavs e os chutadores que eles possuem para efetuar as jogadas. Em vez de atacar a cesta, ele usa o corta luz da melhor forma possível, achando pontos fracos, como abaixo onde Maker fica perdido:

Video 6

 

Defesa

Os números de Wade defensivamente são fantásticos. Eles realmente são. Como falado acima, a defesa é 8.6 pontos melhor a cada 100 posses de bola com ele em quadra. Existe porém coisas a se preocupar: Os números não mostram se quer um jogador atacando com a bola D-Wade. Desde o dia 30 de Novembro não vemos um jogador tentando uma infiltração com Wade defendendo. Os adversários não estão desafiando Wade, e nos playoffs isso certamente irá mudar, e vemos em alguns exemplos que quando ele é testado, ele não consegue defender:

 

Khris Middleton passa facilmente por ele aqui:

Video 8

 

Wade até tenta, mas seu corpo não responde nesses lances. Tudo isso, combinado com o quinteto que ele divide a quadra, problemas podem aparecer e ser um problema nos playoffs. Uma coisa porém que você nota com Wade é que ele estuda os adversários. Ele deixa chutadores ruins com espaço, e defende de perto bons chutadores. Ele ainda também tem mãos rápidas para roubar a bola, e as vezes ele ainda faz coisas assim:

 

Wade se reinventou em Cleveland, assim como Kidd fez quando foi ao Dallas. O passe sempre foi parte de seu jogo, mas mais do que nunca, Wade agora é um comandante em quadra, quem organiza o ataque.

Wade chegou a Cleveland para ajudar seu amigo LeBron. Ele pensou que seria titular, mas isso não aconteceu. Mas ele, mais do que qualquer outra estrela envelhecendo, percebeu suas limitações físicas e ficou satisfeito com seu papel, e ainda acha momentos onde ele decide colocar a equipe em seu ombro, assim como aconteceu em uma partida em Milwaukee.

A discussão se Wade irá conseguir ser efetivo contra Warriors em uma possível final a gente pode deixar para depois, ou até contra Boston na final do Leste. Para agora, vamos apreciar um jogador que deveria ser mais falado como um dos maiores da história, achando um jeito de ser efetivo e continuar contribuindo para sua equipe conseguir uma coisa que ele sempre prezou em seus 15 anos de carreira: vencer.


mattmoore Texto escrito dia 20 de Dezembro por Matt Moore  (Twitter @hpbasketball) para a CBSSports.

Pós jogo: Cleveland Cavaliers 99 X 127 Minnesota Timberwolves

MINNEAPOLIS, MN - JANUARY 8: JR Smith #5 of the Cleveland Cavaliers looks on during the game against the Minnesota Timberwolves  on January 8, 2018 at Target Center in Minneapolis, Minnesota. NOTE TO USER: User expressly acknowledges and agrees that, by downloading and or using this Photograph, user is consenting to the terms and conditions of the Getty Images License Agreement. Mandatory Copyright Notice: Copyright 2018 NBAE (Photo by Jordan Johnson/NBAE via Getty Images)

O Cleveland Cavaliers não apareceu pra jogar. Um time apático, sem demonstrar a minima vontade de estar ali, extremamente lento e desorganizado nas rotações defensivas. Esse é o resumo do que vimos na partida. Sabemos que capacidade de jogar mais que isso a equipe tem e muito, mas a fase que passamos na temporada é horrível, para não dizer pior que isso.

DESTAQUES DA PARTIDA:

Difícil destacar qualquer jogador após uma atuação desse nível. Abaixo apenas aqueles que acho que se salvaram da atuação vergonhosa

Jeff Green: 26 minutos e 22 pontos
Dwyane Wade: 24 minutos, 13 pontos, 4 rebotes e 6 assistências
Kyle Korver: 22 minutos e 19 pontos

STATS DA EQUIPE (CLE vs ORL):
Pontos: 99 Vs 127
FG%: 44% Vs 52%
3P%: 34% Vs 32%
FT%: 75% Vs 76%
Assistências: 26 vs 30
Rebotes: 37 Vs 56
Turnovers: 13 Vs 5

1Q: Cavs 18 vs 32
2Q: Cavs 24 vs 37
3Q: Cavs 25 vs 33
4Q: Cavs 32 vs 25

PRÓXIMO JOGO:

Será contra o Toronto Raptors, no Canada.